Voltar Publicada em 12/06/2020 | Vilhena

Empresário consegue, na Justiça Federal, paralisar obra do DNIT; depois, derruba mureta a marretadas e vídeo viraliza

Viaturas da PRF foram até o local e discussões acaloradas atraíram curiosos

Acabou virando caso de polícia (Rodoviária Federal) a polêmica obra que estava sendo executada pelo DNIT num trecho urbano da BR 364, em Vilhena. O serviço era contestado pelo empresário Jaime Bagattoli, cujo posto de combustíveis seria prejudicado pela ação do órgão federal (ENTENDA AQUI).
 Na manhã desta quinta-feira, 11, além das viaturas da PRF e dos dois protagonistas do incidente, várias pessoas se aglomeravam no local, onde a mureta foi destruída por Bagattoli a golpes de marreta. O vídeo mostrando Jaime em ação, de ferramenta em punho, viralizou nos grupos de WhatsApp (ASSISTA ABAIXO).

O empresário conseguiu, na Justiça Federal, em Vilhena, uma liminar mandando paralisar a obra. Mesmo com a decisão judicial, hoje pela manhã homens do DNIT, por ordem do representante local da entidade, Elienai Silva de Andrade, estavam se preparando para continuar erguendo a mureta que impede o acesso ao posto.
 O gerente da empresa, que também é genro de Bagattoli, disse ter obtido autorização da superintendência do DNIT, em Porto Velho, para arrancar o obstáculo, o que justificaria a ação de Jaime.
 Já Elienai garante que o acesso ao posto é irregular e diz que a ordem judicial se referia apenas à paralisação da obra, não a destruição promovida pelo dono do posto.
 
COMO FICA?

O advogado que atuou em nome da empresa na justiça disse que o caso está sendo resolvido administrativamente, e que projetos para a instalação de uma rotatória no local já estão sendo analisados. O profissional do Direito, que acompanhou as discussões no local da polêmica, disse que já havia avisado para que o DNIT não iniciasse o serviço até o desfecho das negociações. Jaime, que há alguns anos plantou palmeiras e instalou canteiros na entrada do posto, se mostrou disposto a bancar a rotatória no local, como quer o DNIT. Ele avalia que esta obra poderá lhe custar até R$ 1,5 milhão, mas pretende executá-la sozinho, se for o caso.

Fonte: Folha do Sul